Sintomas do Vaginismo

Dependendo da intensidade, os sintomas do vaginismo variam desde leves sensações de ardência com contração na abertura vaginal até o seu total fechamento, tornando impossível a penetração.

Sintomas do Vaginismo

Dependendo da intensidade, os sintomas do vaginismo variam desde leves sensações de ardência com contração na abertura vaginal até o seu total fechamento, tornando impossível a penetração.

O Que é Vaginismo?

Vaginismo é uma contração vaginal que causa desconforto, ardência, dor, problemas de penetração ou total incapacidade de ter relações sexuais.

O estreitamento vaginal resulta da contração involuntária do assoalho pélvico, especialmente o músculo pubococcígeo (músculo PC), embora a mulher possa não estar ciente de que esta é a causa da dor ou dificuldades de penetração.

O vaginismo é uma causa comum de dor sexual contínua e é também a principal causa feminina de casamentos assexuados (não consumados). A dor sexual pode afetar as mulheres em todas as fases da vida; mesmo aquelas que, durante anos, tiveram sexo sem dificuldades. Ainda que algum desconforto temporário durante a relação sexual seja normal, problemas frequentes devem ser diagnosticados e tratados.

Sintomas Comuns:

  • Ardência ou latejamento com estreitamento da abertura vaginal durante o sexo
  • Penetração difícil ou impossível, dor na entrada vaginal, inserção desconfortável do pênis
  • Casamento não consumado
  • O desconforto sexual frequente ou dor após o parto, infecções urinárias ou fúngicas, doenças sexualmente transmissíveis, Cistite Intersticial, histerectomia, câncer e cirurgias, estupro, menopausa ou outros problemas
  • Dor sexual frequente e de origem desconhecida, sem causa aparente
  • Dificuldade em inserir absorventes internos ou submeter-se a exame pélvico / ginecológico
  • Espasmos em outros grupos musculares do corpo (pernas, parte inferior das costas, etc.) e/ou respiração “presa” durante tentativas de relação sexual
  • Evitamento de relações sexuais devido à dor e/ou fracasso

Você Sabia?

O vaginismo é uma causa comum de dor sexual contínua e é também a principal causa feminina de casamentos assexuados (não consumados). A dor sexual pode afetar as mulheres em todas as fases da vida; mesmo aquelas que, durante anos, tiveram sexo sem dificuldades. Ainda que algum desconforto temporário durante a relação sexual seja normal, problemas frequentes devem ser diagnosticados e tratados.

Exemplos dos Efeitos do Vaginismo

À medida que o homem aborda a mulher para tentar uma relação sexual, o grupo do músculo PC (sombreado em cor escura) involuntariamente contrai a entrada vaginal tornando a relação sexual dolorosamente impossível, como se o pênis estivesse “batendo contra uma parede”. Este tipo de vaginismo torna a penetração impossível.

Em outros casos de vaginismo, a penetração pode ser possível, mas a mulher tem períodos de contração involuntária, causando ardência, desconforto ou dor.

Você Sabia?

No caso do vaginismo, a mente e o corpo desenvolveram uma resposta condicionada contra a penetração. O corpo aprendeu a esperar ou a antecipar dor durante a penetração; assim, o poderoso músculo PC “contrai-se” para proteger a mulher contra a potencial dor da relação sexual. Isso pode ser comparado com o reflexo que temos de fechar automaticamente os olhos e desviar o rosto quando um objeto é arremessado em nossa direção. Não é algo que uma mulher pensa em fazer—simplesmente acontece (veja Causas).

Variações na Experiência do Vaginismo

O vaginismo pode se apresentar tanto em mulheres jovens quanto nas mais maduras, naquelas sem nenhuma experiência sexual e naquelas com anos de experiência. Nem todas as mulheres têm vaginismo da mesma forma, e o grau desta condição varia:

  • Algumas mulheres não conseguem inserir nenhuma coisa na vagina.
  • Algumas mulheres conseguem inserir um absorvente interno e submeter-se a um exame ginecológico, mas não conseguem inserir um pênis.
  • Outras conseguem inserir um pênis parcialmente, embora o processo seja muito doloroso.
  • Algumas conseguem inserir totalmente o pênis, mas a contração e o desconforto interrompem a progressão normal da excitação sexual até o orgasmo, provocando dor.
  • Algumas mulheres conseguem tolerar anos de relação sexual desconfortável com a dor aumentando gradualmente e o desconforto eventualmente interrompe a experiência sexual.
  • As mulheres também podem ter anos de dificuldade intermitente em permitir a entrada ou a movimentação do pênis e precisam estar constantemente “em guarda” para controlar e relaxar a área pélvica quando ela subitamente começa a se contrair.

 

Faixa da Gravidade dos Sintomas

O vaginismo tem um amplo leque de manifestações, desde a impossibilidade de penetração até a relação sexual com desconforto, dor ou ardência, resultantes da contração pélvica involuntária. Quando uma mulher nunca conseguiu ter relações sexuais sem dor devido a dificuldades com a penetração, isto é geralmente classificado como vaginismo primário. Quando uma mulher desenvolve o vaginismo depois de ter anteriormente usufruído de sexo sem problemas, isto é geralmente classificado como vaginismo secundário. Dependendo da classificação, podem haver algumas pequenas diferenças na forma como o vaginismo é tratado.

Vaginismo Primário

Quando uma mulher nunca conseguiu ter relações sexuais sem dor devido à contração do vaginismo, sua condição conhecida como vaginismo primário.

O vaginismo primário está relacionado comas primeiras tentativas de relações sexuais. Normalmente, o vaginismo primário é descoberto quando uma mulher tenta fazer sexo pela primeira vez. O homem não consegue alcançar a penetração e é como ele estivesse batendo contra uma “parede” onde deveria haver a abertura da vagina. A entrada é impossível ou extremamente difícil. Algumas mulheres com vaginismo primário também apresentam problemas com a inserção de absorventes internos ou exames ginecológicos. Os músculos PC se contraem e apertam a abertura vaginal, tornando a entrada desconfortável ou em muitos casos praticamente impossível.

Com a contração, as tentativas de introduzir qualquer coisa na vagina produzem dor ou desconforto. Algumas mulheres também têm espasmos relacionados em outros grupos musculares do corpo ou até mesmo respiração “presa”. Em geral, quando a tentativa de colocar algo na vagina termina, os músculos relaxam e voltam ao normal. Por este motivo, exames médicos muitas vezes não revelam quaisquer problemas aparentes a menos que a contração ocorra e seja detectada durante o exame pélvico.

Vaginismo Secundário

A dor sexual do vaginismo secundário pode afetar as mulheres em todas as fases da vida; mesmo aquelas que, durante muitos anos, tiveram sexo sem dor.

O vaginismo secundário refere-se à experiência de dor ou dificuldades com a penetração num momento mais tarde na vida, depois de anteriormente ser capaz de ter relação sexual normal e sem dor. Geralmente segue-se a ou é desencadeado por dor pélvica temporária ou outros problemas relacionados. Pode ser desencadeado por doenças, eventos traumáticos, problemas de relacionamento, cirurgia, mudanças de vida (por exemplo, menopausa), ou sem motivo aparente (veja Causas para mais exemplos). O vaginismo secundário é a causa mais comum de dor sexual frequente ou dificuldade com a penetração, quando não havia nenhum problema anteriormente. Mais comumente, o vaginismo secundário afeta mulheres que têm dor pélvica temporária causada por problemas como infecções urinárias ou fúngicas, dor pelo parto natural, menopausa ou cirurgia.

Os problemas iniciais causadores da dor são tratados clinicamente, curados e/ou administrados, mas ainda assim as mulheres continuam a sentir dor sexual frequente ou dificuldades com a penetração devido ao vaginismo. Enquanto a dor inicial temporária era sentida, seus corpos desenvolveram uma resposta condicionada, resultando em contração vaginal constante e involuntária durante as tentativas de relação sexual.

A gravidade do vaginismo secundário pode se intensificar de modo que o sexo ou mesmo a penetração não seja mais possível sem muita dificuldade. Algumas mulheres também têm dificuldades com exames ginecológicos ou a inserção de absorventes internos. O vaginismo também pode impedir a capacidade de uma mulher de ter um orgasmo durante a relação sexual, na medida em que dores súbitas interrompem abruptamente a evolução da excitação que levaria ao orgasmo.

Casamentos Não Consumados e Penetração Impossível

O vaginismo é, com certeza, a causa mais comum de casamentos não consumados.

O vaginismo é, com certeza, a causa mais comum de casamentos não consumados (onde o problema é devido a questões relacionadas à mulher). Os casais geralmente descrevem suas tentativas de relações sexuais como se houvesse uma “parede” no local onde deveria haver a abertura vaginal. Algumas mulheres têm dificuldade em entender como esta disfunção se desenvolveu, uma vez que elas nunca tiveram nenhum contato sexual prévio ou problemas pélvicos. A relação sexual é impossível e as dolorosas tentativas de penetração reforçam a resposta do vaginismo. O reflexo condicionado continua a acontecer todas as vezes em que há potencial para a penetração vaginal.

Os músculos agem com rebeldia, recusando-se a permitir a entrada mesmo que a mulher possa realmente querer a consumação e receber o seu esposo vaginalmente. Corpos não dão a largada como hábeis reagentes a estímulos sexuais. A relação sexual bem sucedida é aprendida através de experiência e interação.

O sistema nervoso e a musculatura descobrem e lembram-se do que provoca sensações agradáveis, do que funciona e do que não é confortável. Normalmente, ocorre uma transição para que a relação sexual se torne mais prazerosa após as primeiras experiências.

Isto é extremamente frustrante. Para o homem excitado, é como correr contra uma parede de tijolos. Para a mulher, é como se seu corpo não estivesse mais sob seu controle.

O sexo é uma atividade que envolve muitas respostas condicionadas complexas.

A mente e o corpo permitem a entrada do pênis e aprendem a antecipar a relação sexual de forma positiva. Isso resulta em mensagens saudáveis que geram excitação em antecipação à relação sexual. Em uma mulher com vaginismo primário, a mente e o corpo nunca têm a chance de serem treinados através de experiências positivas de relações sexuais. O processo de aprender a ter relações sexuais bem sucedidas é interrompido quando os músculos vaginais têm espasmos, como um mecanismo de proteção contra a dor. Sem qualquer controle consciente direto por parte da mulher, os nervos que controlam os músculos vaginais reagem à antecipação da relação sexual como um aviso para contraírem-se firmemente, apertarem-se, protegendo e guardando a mulher contra a iminente dor potencial da penetração.

O vaginismo é involuntário—não intencional

É importante perceber que o vaginismo não é desencadeado deliberada ou intencionalmente pela mulher. Acontece de forma involuntária, sem controle intencional, e sem que a mulher esteja ciente da contração. O vaginismo tem diversas causas, em geral em resposta à uma combinação de fatores físicos ou emocionais. O mistério do problema pode ser muito frustrante e angustiante tanto para a mulher quanto para seu parceiro. Apesar do vaginismo ser involuntário e poder afetar qualquer mulher, muitas mulheres sentem uma vergonha imensa de não conseguirem ter relações sexuais e mantêm sua dor privadamente, sentindo-se desconfortáveis em compartilhar seu segredo com outras pessoas.

Share This