O Que Provoca o Vaginismo?

O vaginismo é uma condição única que pode resultar de uma combinação tanto de causas físicas quanto não-físicas, ou pode não ter causa perceptível.

O Que Provoca o Vaginismo?

O vaginismo é uma condição única que pode resultar de uma combinação tanto de causas físicas quanto não-físicas, ou pode não ter causa perceptível.

Muitas mulheres são pegas de surpresa pelo vaginismo; contrações inexplicáveis, desconforto, dor e problemas de penetração são inesperadamente vivenciados durante as tentativas de relações sexuais. A dor resulta da contração dos músculos ao redor da vagina (músculos PC). Uma vez que isso ocorre sem a intenção consciente ou o controle da mulher, isso pode deixá-la muito perplexa.

Cycle-of-Pain-callout-POR

Reagindo à antecipação da dor, o corpo automaticamente contrai os músculos vaginais, fechando-se para se proteger de algum perigo. O sexo se torna doloroso ou desconfortável, e a penetração pode ser mais difícil ou impossível, dependendo da gravidade do caso. Com as tentativas de sexo, qualquer desconforto resultante reforça ainda mais o reflexo da contração, de forma que ele se intensifica mais. O corpo sente mais dor e reage “apertando” ainda mais os músculos, em um círculo vicioso, reforçando esta resposta e criando um ciclo da dor.

Uma vez que o vaginismo pode ser desencadeado por eventos físicos tão simples como preliminares inadequadas ou falta de lubrificação, ou por fatores emocionais não físicos, tais como ansiedade, é importante que se entenda que o vaginismo não é culpa da mulher. Ao ser desencadeada, a contração muscular involuntária ocorre sem a consciência voluntária; a mulher não “causa” a contração intencionalmente ou leva seu corpo a se contrair; ela simplesmente não consegue interromper o processo. Mulheres com vaginismo podem, inicialmente, ser sexualmente responsivas e desejar profundamente fazer amor, mas com o tempo, esse desejo pode diminuir devido à dor e a sentimentos de fracasso e desânimo. É extremamente frustrante ser incapaz de se envolver fisicamente em uma relação sexual prazerosa.

A antecipação da dor, ansiedades emocionais ou mensagens sexuais não saudáveis podem contribuir para reforçar os sintomas do vaginismo. Frequentemente, mas nem sempre, existem sentimentos negativos subliminares de ansiedade associados com a penetração vaginal.

Os desencadeadores emocionais que provocam os sintomas do vaginismo nem sempre são facilmente evidentes e requerem investigação. É importante que os processos de tratamento eficazes incluam tratar de todos os desencadeadores emocionais para que uma relação sexual prazerosa e sem dor completa possa ser usufruída.

Exemplos de Causas Não Físicas

MedosMedo ou antecipação da dor sexual, medo de não estar completamente curada fisicamente após um trauma pélvico, medo de lesão aos tecidos (ou seja, de “estar rasgada”), medo de engravidar, preocupação de que um problema médico pélvico possa ocorrer novamente, etc.
Ansiedade ou estresseAnsiedade em geral, pressões para ter um bom desempenho, experiências sexuais desagradáveis anteriores, negatividade em relação ao sexo, culpa, traumas emocionais ou outras emoções sexuais não saudáveis
Problemas de relacionamentoAbuso, desapego emocional, medo de compromisso, desconfiança, ansiedade em relação a estar vulnerável, perder o controle, etc.
Eventos TraumáticosAbuso sexual/emocional anterior, testemunhar violência ou abuso, memórias reprimidas
Experiências da infânciaEducação excessivamente rígida, ensino religioso desequilibrado (ou seja, a ideia de que “o sexo é ruim”), exposição a imagens sexuais chocantes, educação sexual inadequada
Nenhuma causaÀs vezes, não há nenhuma causa identificável (física ou não física)

 

Exemplos de Causas Físicas

Problemas de saúdeInfecções do trato urinário ou problemas urinários, infecções fúngicas, doenças sexualmente transmissíveis, endometriose, tumores genitais ou pélvicos, cistos, câncer, vulvodinia/vestibulodinia, doenças inflamatórias pélvicas, líquen plano, líquen escleroso, eczema, psoríase, prolapso vaginal, etc.
Parto normalA dor do parto normal e/ou dificuldades e complicações, cesarianas, abortos, etc.
Mudanças relacionadas à idadeMenopausa e mudanças hormonais, secura vaginal/lubrificação vaginal inadequada, atrofia vaginal
Desconforto temporárioDor ou desconforto temporário resultante de preliminares insuficientes, lubrificação vaginal inadequada, etc.
Trauma pélvicoQualquer tipo de cirurgia pélvica, exames pélvicos difíceis ou outro trauma pélvico
AbusoAgressão física, estupro, abuso físico/sexual ou agressão
MedicaçõesEfeitos colaterais podem causar dor pélvica

Você Sabia?

O vaginismo nem tem uma causa óbvia (Veja Diagnóstico). Às vezes, as mulheres com infâncias quase perfeitas, excelentes relacionamentos, formação acadêmica sólida e poucas ansiedades, têm dificuldade em encontrar qualquer explicação plausível para o que causou o seu vaginismo. Entender por que elas tiveram vaginismo pode permanecer um mistério, mesmo depois da cura completa.

Vaginismo Associado a Outros Problemas de Saúde

O vaginismo é muitas vezes um fator complicador na recuperação de outras condições de dor pélvica. O vaginismo pode co-existir com outros problemas de saúde, possivelmente desencadeado por dor pélvica temporária resultante desses problemas.

Ou pode ser a única causa da dor sexual remanescente após a cura dos problemas médicos iniciais. Quando a causa básica foi resolvida ou administrada, e dores frequentes, desconforto ou dificuldades com a penetração permanecem, isto é normalmente devido ao vaginismo.

Em casos de mulheres que sofrem tanto de vaginismo quanto de outro problema de saúde relacionado à região pélvica, ambos os problemas precisam ser tratados para garantir a resolução total. Sem abordar o outro problema de saúde, será difícil de resolver o vaginismo porque ele pode continuar a ser desencadeado por dor proveniente de algum outro problema.

O Papel do Grupo Muscular PC

Como ele contribui para a dor sexual ou os problemas com a penetração

Os músculos do assoalho pélvico predominantes no vaginismo são chamados de grupo muscular pubococcígeo (PC). O grupo muscular PC desempenha um papel fundamental na função do sistema reprodutivo feminino, do trato urinário, e do intestino. Os músculos permitem a mulher urine, tenha relações sexuais, orgasmo, movimentos completos do intestino (evacuação), e dê à luz. Por isso, eles também são chamados de músculos do assoalho pélvico, músculos vaginais, e músculos do amor. No caso do vaginismo, a mente e o corpo desenvolveram uma memória muscular ou uma resposta condicionada contra a penetração. O corpo aprendeu a esperar ou a antecipar dor durante a penetração; assim, o poderoso músculo PC “contrai-se” para proteger a mulher contra a potencial dor da relação sexual. Isso pode ser comparado com o reflexo que temos de fechar automaticamente os olhos e desviar o rosto quando um objeto é arremessado em nossa direção. Não é algo que uma mulher pensa em fazer—simplesmente acontece.

Os espasmos causar ardência ou dor durante a penetração ou movimentação do pênis na vagina e podem até mesmo bloquear completamente a entrada do pênis. O grupo muscular PC é grande e muito poderoso. Ela envolve a abertura urinária, a vagina e o ânus numa figura em forma de oito com um laço de músculos que rodeiam a área vaginal e outro laço em torno da região anal. Em cada extremidade, os músculos estão ligados ao esqueleto e suportam e sustentam no lugar os órgãos abdominais e pélvicos, como uma rede, formando o assoalho pélvico.

PC-Muscle-Group-POR

Músculos PC: A anatomia do assoalho pélvico feminino destaca os músculos internos chamados de grupo muscular pubococcígeo ou PC. Este é o grupo muscular que contrai involuntariamente no caso do vaginismo. O poderoso grupo muscular envolve toda a área vaginal e a área anal.

Nunca totalmente relaxados, mas sempre parcialmente contraídos, os músculos PC estão prontos para entrar em ação no momento em que eles sentem a necessidade, poderosamente contraindo-se, mesmo sem a consciência da mulher. Por exemplo, eles permitem a retenção da urina ou o controle de evacuação até que seja conveniente, sem que a pessoa precise pensar nisso. No vaginismo, durante a tentativa de penetração, os músculos PC se contraem involuntariamente, sem a intenção consciente (pensamento), e restringem a abertura vaginal. Esta contração é o que torna a relação sexual desconfortável, dolorosa ou impossível. A dor é muitas vezes sentida sem que a pessoa saiba sua causa. Sentimentos de frustração são comuns, já que a mulher sabe que há algo errado, mas desconhece que o problema dela é o vaginismo e que existe tratamento.

Como Reeducar o Corpo

Reeducar o grupo muscular PC a responder de forma diferente à antecipação da relação sexual é fundamental para o sucesso do tratamento do vaginismo. O processo de aprender a assumir o controle conscientemente desse grupo muscular muda o reflexo condicionado de forma que a contração involuntária não ocorre mais (modificando a memória muscular ou as respostas condicionadas). Etapas eficazes de um programa irão abordar de forma abrangente ambos os componentes do corpo e da mente para resolver todos os desencadeadores para que, quando a relação sexual for tentada, os espasmos involuntários não ocorrem mais e dor seja eliminada (veja Tratamento para mais informações).

Share This